More

    Casa Branca divulga plano climático e de infra-estrutura de 2 trilhões de dólares

    BostonCasa Branca divulga plano climático e de infra-estrutura de 2 trilhões de...

    Casa Branca divulga plano climático e de infra-estrutura de 2 trilhões de dólares, estabelecendo uma batalha gigantesca sobre o tamanho e o custo do governo
    Antes do discurso em Pittsburgh, a administração Biden libera esforços para renovar o trânsito dos EUA, banda larga, habitação e muito mais.

    Casa Branca divulga plano climático e de infra-estrutura de 2 trilhões de dólares

    A Casa Branca revelou uma proposta de $2 trilhões de empregos, infraestrutura e energia verde para reformular a economia dos Estados Unidos, que encontrou um coro de oposição no final da quarta-feira, com os republicanos apresentando-a como uma lista de desejos partidários, alguns liberais desafiando-a como não suficiente para combater a mudança climática e grupos empresariais rejeitando suas propostas de aumento de impostos.

    Sob o que o governo chama de Plano Americano de Empregos, o Presidente Biden pretende enfrentar alguns dos problemas mais urgentes da nação – desde a mudança climática até os sistemas de água em decadência e a infra-estrutura da nação em colapso.

    Em um discurso na tarde de quarta-feira no Centro de Treinamento da Irmandade Unida de Carpinteiros e Juntos da América Pittsburgh, Biden apresentou seu plano como um esforço transformador para revisar a economia do país. Ele chamou-o de o investimento federal mais significativo desde a Segunda Guerra Mundial, dizendo que colocaria centenas de milhares de eletricistas e trabalhadores para trabalhar, colocando milhas de rede elétrica e limitando centenas de poços de petróleo. Ele disse que o financiamento da pesquisa do plano tornaria a América líder global em setores emergentes como tecnologia de baterias, biotecnologia e energia limpa.

    Este não é um plano que mexe com os limites

    “Este não é um plano que mexe com os limites”. É um investimento único na América, diferente de tudo o que fizemos desde que construímos o Sistema Rodoviário Interestadual e a Corrida Espacial”, nas décadas de 1950 e 1960, disse Biden.

    Temos que nos mudar agora

    “Temos que nos mudar agora”. Estou convencido de que se agirmos agora, em 50 anos as pessoas olharão para trás e dirão: ‘Este foi o momento em que a América ganhou o futuro’. ”

    Promessas da Administração

    As promessas da administração são vastas e podem se mostrar difíceis de serem cumpridas, mesmo que o esforço possa passar pela maioria extremamente estreita dos Democratas no Congresso. A rejeição imediata do plano pelos principais republicanos sugeriu que o caminho em direção a um compromisso bipartidário sobre infra-estrutura seria muito difícil de ser alcançado, deixando o próximo passo da Casa Branca pouco claro.

    A Casa Branca disse que o plano permitiria aos motoristas de todo o país encontrar estações de carga elétrica para seus veículos na estrada. Todos os tubos de chumbo do país seriam substituídos. Todos os americanos teriam acesso à banda larga de alta velocidade da Internet até o final da década.

    Biden lançou o plano de gastos com uma série de aumentos de impostos nas empresas, o que poderia ser a parte mais controversa de sua proposta. A Casa Branca disse que a proposta se pagaria por si mesma durante 15 anos, porque muitos dos aumentos de impostos permaneceriam, mesmo porque as propostas de gastos durariam apenas oito anos. Biden disse na quarta-feira que o plano reduziria a dívida federal “a longo prazo”. A legislação em Washington é tipicamente avaliada em uma janela orçamentária de 10 anos, e não está claro exatamente quanto o plano custaria ao longo de uma década.

    Plano de Biden

    Do lado fiscal, o plano de Biden inclui aumentar a taxa de imposto corporativo de 21% para 28%; aumentar o imposto mínimo global pago de cerca de 13% para 21%; acabar com as isenções fiscais federais para as empresas de combustíveis fósseis; e aumentar a cobrança de impostos contra as corporações, entre outras medidas. A Casa Branca também está propondo até US$ 400 bilhões em créditos de energia limpa para empresas, embora o custo das provisões de crédito fiscal não esteja detalhado no que a administração liberou.

    As medidas fiscais ajudam Biden a resolver as preocupações de que seu pacote de gastos aumentaria um já grande déficit federal, mas provocou uma torrente de oposição dos legisladores e grupos empresariais do Partido Republicano. Os republicanos do Congresso também planejaram os aumentos de impostos como prejudiciais ao investimento e à competitividade dos EUA e se comprometeram a se opor a eles.

    O líder do Senado Minoritário Mitch McConnell (R-Ky.) denunciou a medida. O senador John Barrasso (Wyo.), presidente da Conferência Republicana do Senado, disse que se tratava de uma “onda de gastos socialistas fora de controle” que refletia “a agenda radical da esquerda”.

    Não há praticamente nenhum caminho para conseguir votos republicanos

    “Não há praticamente nenhum caminho para conseguir votos republicanos”. É muito grande, muito caro e cheio de aumentos de impostos que não são iniciantes entre os republicanos”, disse Brian Riedl, um ex-assistente do Senador Rob Portman (R-Ohio) agora no Instituto Manhattan, um grupo de reflexão libertário-legista.

    Entre os democratas, o plano foi atendido por objeções dos legisladores da Bancada Progressista do Congresso, que dizem que é insuficiente para enfrentar a escala da ameaça representada pela mudança climática. Os democratas centristas estão se recusando a outro grande pacote de gastos. Três democratas da Câmara já prometeram se opor ao pacote porque ele não reverte um limite para as deduções fiscais estaduais e locais da lei tributária do ex-presidente Donald Trump.

    E uma série de prioridades críticas para os democratas do Congresso, incluindo uma extensão do crédito infantil expandido, uma grande expansão na cobertura do seguro saúde, subsídios para o cuidado infantil e livre acesso às faculdades comunitárias, estão sendo deixadas para um segundo pacote da Casa Branca a ser revelado nas próximas semanas.

    A Câmara de Comércio dos EUA criticou fortemente as propostas de aumento de impostos em uma declaração na quarta-feira, argumentando que enquanto os gastos com infra-estrutura são necessários “os usuários que se beneficiam do investimento” devem pagar por isso.

    Enquanto abre a porta para negociações com o Congresso sobre os detalhes, a Casa Branca é inflexível sobre a necessidade de um programa econômico abrangente que vá além do alívio imediato do novo Coronavírus ou Covid-19.

    Ela cita a ameaça representada pela mudança climática, a deterioração da infra-estrutura dos Estados Unidos e o longo declínio da fabricação nos EUA. Mas a Casa Branca pode enfrentar um caminho mais difícil para este pacote do que o plano de estímulo, que unificou os democratas do Congresso com relativamente pouca discordância.

    Biden prometeu “trazer republicanos para a Sala Oval” para discutir a medida de infraestrutura e prometeu uma “negociação de boa fé”. Mas ele disse que o plano tinha que ser concluído, sugerindo que os democratas poderiam estar dispostos a tentar aprová-lo sem os votos dos republicanos.

    O presidente telefonou para McConnell na terça-feira para informá-lo sobre os detalhes antes que a Casa Branca revelasse o plano de infra-estrutura. McConnell, que revelou a chamada durante um evento no Kentucky na quarta-feira, sinalizou que ainda não é um fã da proposta.

    É como um cavalo de Tróia

    “É como um cavalo de Tróia”, disse McConnell aos repórteres, enfatizando o novo projeto dos democratas para melhorar estradas, pontes, vias fluviais e sistemas de esgoto, que depende de “mais empréstimos e aumentos maciços de impostos em todas as partes produtivas de nossa economia”.

    O plano de Biden dedica mais de US$600 bilhões à reconstrução da infraestrutura americana, como seus portos, ferrovias, pontes e rodovias; cerca de US$300 bilhões para apoiar a fabricação doméstica; e mais de US$200 bilhões em infraestrutura habitacional.

    Outras medidas importantes incluem pelo menos US$100 bilhões para uma variedade de prioridades, incluindo a criação de um sistema nacional de banda larga, a modernização da rede elétrica, a modernização das instalações escolares e educacionais, o investimento em projetos de pesquisa e desenvolvimento, e a garantia de que a água potável dos Estados Unidos seja segura.

    O plano de Biden também inclui medidas não relacionadas à infra-estrutura ou ao clima, como um investimento de aproximadamente US$400 bilhões em cuidados domiciliares para idosos e deficientes, que foi uma das principais demandas de alguns grupos sindicais.

    Além disso, o plano exige a aprovação da Lei de Proteção do Direito de Organização (PRO), um projeto de lei que visa reforçar significativamente os direitos dos trabalhadores de se organizarem.

    O plano de Biden estabelece um grande investimento em energia limpa e prioridades ambientais. Os programas incluem US$ 100 bilhões para reforçar a rede elétrica do país e eliminar gradualmente os combustíveis fósseis, em parte através da extensão de um crédito fiscal de produção por 10 anos que apóia as energias renováveis.

    Biden, que se comprometeu a tornar o setor elétrico livre de carbono até 2035, também pedirá ao Congresso que adote uma “Norma de Eficiência Energética e Eletricidade Limpa” que estabeleceria metas específicas para cortar a quantidade de energia elétrica queimada a carvão e gás que as empresas de energia elétrica utilizam ao longo do tempo.

    O investimento em veículos elétricos está entre as principais prioridades de Biden em termos de gastos climáticos, com US$174 bilhões destinados apenas a esse mercado. As autoridades da Casa Branca previram que os incentivos federais, juntamente com os gastos dos governos estaduais e locais e empresas privadas, estabeleceriam uma rede nacional de 500.000 estações de recarga até 2030, enquanto estimulariam uma cadeia de fornecimento doméstico que apoiará os empregos dos sindicatos e os carros e caminhões construídos nos Estados Unidos.

    O plano também substituirá 50.000 veículos de trânsito a diesel, enquanto trocará cerca de 20% da frota de ônibus escolares amarelos clássicos por motores elétricos.

    A deputada Debbie Dingell (D-Mich.), que tem trabalhado na legislação de compromisso para reduzir as emissões de carbono de carros e caminhões, disse esta semana que o financiamento de estações de carregamento e melhores linhas de transmissão será fundamental. “As pessoas não vão comprar veículos elétricos enquanto não tivermos a infra-estrutura de carga e a rede elétrica para sustentá-la”, disse ela.

    Em um esforço para fazer a transição dos trabalhadores de combustíveis fósseis para outros empregos, o plano de Biden dedica 16 bilhões de dólares para empregar americanos para conectar poços de petróleo e gás abandonados e restaurar a terra que tem sido usada para mineração de carvão, rochas duras e urânio. Em sua conferência de imprensa na semana passada, o presidente disse que os trabalhadores ganhariam tanto dinheiro fechando esses poços quanto perfurando-os. Outros US$ 10 bilhões financiariam a criação de um novo Corpo Civil do Clima, que empregaria pessoas para restaurar as paisagens e ajudar a preparar as comunidades para os efeitos prejudiciais do aquecimento global.

    O presidente também pedirá ao Congresso que forneça 45 bilhões de dólares para substituir os tubos de chumbo em todo o país, enquanto reduz a exposição ao chumbo em 400.000 escolas e instalações de cuidados infantis.

    Cerca de US$56 bilhões seriam destinados a doações e empréstimos a juros baixos, para que os governos estaduais, locais e tribais atualizassem os sistemas de água envelhecidos. Outros 10 bilhões de dólares seriam gastos no tratamento de produtos químicos polifluoroalquílicos e perfluoroalquílicos (PFAS) que contaminaram o abastecimento de água potável em todo o país.

    Na área de habitação, a proposta inclui mais de US$ 200 bilhões para programas habitacionais, incluindo US$ 40 bilhões em habitações públicas, embora os defensores da habitação digam que se preocupam que podem ser insuficientes para atender ao parque habitacional decadente do país.

    “Preocupa-me que apenas $40 bilhões de dólares para habitação pública irão muito rápido – só o atraso na Autoridade Habitacional da Cidade de Nova York é de $40 bilhões – e criar vencedores e perdedores ao subfinanciar a necessidade”, disse Paul Williams, um ex-administrador de políticas habitacionais do Departamento de Habitação de Chicago.

    Alguns legisladores liberais disseram que o plano geral não vai suficientemente longe, observando que Biden pediu 2 trilhões de dólares em investimentos em apenas quatro anos durante sua campanha de 2020. A deputada Pramila Jayapal (D-Wash.), presidente da Câmara Progressiva do Congresso, disse que o pacote foi um bom começo, mas deve ser substancialmente maior. “Isto não é quase suficiente”, disse a deputada Alexandria Ocasio-Cortez (D-N.Y.) no Twitter sobre o plano Biden.

    Em seus próprios termos, a proposta não resolveria todos os problemas de infraestrutura da nação, que vêm crescendo há décadas. O plano, por exemplo, cita um atraso de trilhões de dólares em reparos necessários de estradas, pontes, ferrovias e trânsito, mas propõe menos do que isso.

    Mas o plano Biden, se aprovado no Congresso, estimularia mudanças de longo alcance que poderiam começar a mudar a trajetória do sistema de transporte da nação. Ele exige uma duplicação dramática do financiamento federal para o trânsito público. O plano de Biden também modernizaria 20.000 milhas de ruas e rodovias do total de 173.000 milhas que Biden diz estarem em más condições, ao mesmo tempo em que abordaria algumas das dezenas de milhares de pontes que precisam de reparos.

    Últimas do Site

    spot_img

    Conteúdo Relacionado

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Fique conectado - Notícias em seu Email